15 de março de 2010

Lost in Translation

Recém-arrebatado dos braços de Morfeu, após noite bem regada, desloca-se qual autómato cambaleante até à casa-de-banho ainda com olhos remelosos, antes das habituais abluções matinais (mesmo passando já do meio-dia). Sem os óculos que normalmente o ajudam a enxergar melhor o mundo que o rodeia, consulta abstraidamente o molho desorganizado de literatura pousado em cima do bidé mas, ao invés do título “créer pour bébé” escrito na capa duma revista francesa, julga ter lido, em português, "crer para beber".

3 comentários:

Ângela disse...

De facto, só bebe quem quer :)
Ó Zé, só tu LOLLLLLLLLL

Mónica P disse...

Já só falta ler "Bebo logo existo"!

José Nuno Pimentel disse...

:)